Até à vista, fraldas!

ate-a-vista-fraldasÉ, de facto, com uma rapidez espantosa que eles crescem e se desenvolvem conquistando, pelo caminho, as autonomias. E é assim que, gradualmente, se vão tornando cada vez mais independentes do adulto.

Muito depende dos adultos que acompanham a criança nesta tão importante fase evolutiva. Todos queremos que cresçam sem receios, por isso este é um processo que tem resultados muito positivos desde que conduzido de forma pacífica, calma e bem tolerada. Como todos sabemos, as crianças têm ritmos de desenvolvimento diferentes que apresentam avanços e recuos naturais que não devem ser motivo de vergonha ou de desilusão. Idealmente, uma boa altura para se deixar as fraldas é no verão, pois com bom tempo as crianças podem andar com menos roupa, evitando constipações devido a roupa molhada, e esta seca mais depressa o que facilita significativamente o processo.

Enquanto algumas crianças têm controlo sobre o seu esfíncter antes dos 2 anos, muitas outras só o fazem depois; algumas conseguem-no quase de um dia para o outro, outras só após diversas tentativas. Mas é natural que assim seja e que nenhuma tenha o mesmo comportamento, reação e/ou aceitação.

Por vezes, podem ajudar as famosas fraldas-cueca uma vez que conferem uma maior autonomia nas idas à casa de banho, não deixando de proporcionar uma segurança acrescida no caso de eventuais "acidentes". Também a predisposição dos cuidadores para trocar de roupa sempre que necessário, ir com frequência ao bacio ou casa de banho e ter sempre à mão um balde e uma esfregona, vai influenciar o sucesso desta aprendizagem.

É, então, muito importante a nossa compreensão e tranquilidade para que todos alcancem esta etapa com sucesso, com bons níveis de autoestima e muita alegria.