Conjuntivite aguda na criança

conjuntiviteDefine-se por conjuntivite a inflamação da membrana ocular (ou conjuntiva), acompanhada de vermelhidão e secreção/exsudado ocular.

A conjuntivite pode ser infecciosa, alérgica ou tóxica.

A conjuntivite infecciosa é transmitida mais frequentemente por vírus, e secundariamente por bactérias e é extremamente contagiosa no ambiente infantil. O contágio ocorre essencialmente pelo contacto directo ou indirecto. Assim, estar em ambientes fechados com pessoas contaminadas, uso de objectos contaminados (ex: brinquedos, livros, etc), contacto directo com pessoas contaminadas ou até mesmo pela água de piscina são formas de se contrair a conjuntivite infecciosa. Quando ocorre uma epidemia de conjuntivite, pode-se dizer que é do tipo infecciosa.

A conjuntivite alérgica é aquela que ocorre em pessoas predispostas a alergias (que apresentam com frequência antecedentes de rinite alérgica, asma ou eczema atópico) e geralmente é bilateral, isto é, ocorre nos dois olhos. Esse tipo de conjuntivite não é contagiosa, apesar de que pode começar em um olho e depois se apresentar no outro. Pode ter períodos de melhoras e reincidências, sendo importante a descoberta da causa da conjuntivite alérgica. Este tipo de conjuntivite, com maior frequência, manifesta-se essencialmente por hiperémia da conjuntiva (vermelhidão) acompanhada de exsudado ocular transparente, prurido e lacrimejo.

A conjuntivite tóxica é causada por contacto directo com algum agente tóxico (ex: colírio medicamentoso, produtos de limpeza, fumo de cigarro, poluição do ar, sabão, sprays, maquilhagens, cloro ou tintas para cabelo). Quando perante este tipo de conjuntivite, deve-se afastar do agente causador e lavar os olhos com água abundante. Se a causa for medicamentosa é necessário a suspensão do tratamento, sempre seguindo uma orientação médica.

Os principais sintomas da conjuntivite são:

  • Olhos vermelhos e lacrimejantes, devido à dilatação dos vasos sanguíneos locais;
  • Edema do olho e/ou pálpebra, devido ao acúmulo de líquido no local;
  • Sensação de areia nos olhos;
  • Presença de secreção purulenta - muito sugestivo de sobreinfecção/conjuntivite bacteriana;
  • Incómodo causado pela luz;
  • Com frequência, surge no contexto de infecção respiratória alta (obstrução nasal, tosse e/ou febre acompanhantes).

A conjuntivite infecciosa por bactéria é muito contagiosa. Se começa por um olho, frequentemente afectará o outro. Tipicamente acompanha-se de exsudado ocular purulento. Contrariamente, as virais e as alérgicas apresentam pouca secreção - produzem lágrimas claras e aquosas e pálpebras inchadas.

Recomendações:

1. Para prevenir o contágio, tome as seguintes precauções:

  • Lavar as mãos frequentemente;
  • Evitar aglomerações ou frequentar piscinas comuns/praia;
  • Lavar com frequência o rosto e as mãos uma vez que estas são veículos importantes para a transmissão de microrganismos patogénicos;
  • Não coçar os olhos;
  • Aumentar a frequência com que troca as toalhas da casa-de-banho ou opte transitoriamente por toalhas de papel para enxugar o rosto e as mãos; evitar compartilhar toalhas da pessoa afectada com conjuntivite;
  • Trocar as fronhas das almofadas diariamente enquanto perdurar a crise;
  • Evitar contato directo com outras pessoas;
  • Aos adultos: evitar pegar crianças pequenas ao colo;
  • Evitar banhos de sol.

Precocemente, se suspeita de conjuntivite no seu filho/a (isto é, se reunir os sinais/sintomas acima mencionados), deve consultar imediatamente o seu pediatra ou médico assistente, que o orientará para o tratamento adequado a iniciar precocemente, de forma a prevenir complicações oculares que possam posteriormente comprometer a acuidade visual. Tendo em conta a contagiosidade desta entidade clínica, é recomendado o isolamento/afastamento da criança doente das restantes da sua sala, de forma a evitar uma epidemia. Esse afastamento é recomendado durante pelo menos 48 horas após o início do tratamento, altura em que o índice de contagiosidade se torna muito inferior ou desprezível.

Marta Cabral
(a Pediatra do Colégio)